Seguidores

quinta-feira, 28 de julho de 2011

CATEQUESE e FAMÍLIA, POR QUÊ?

 APROVEITANDO A DEIXA DO NOSSO AMIGO MANOEL, SOBRE FAMÍLIA,QUE TAL SABERMOS UM POUQUINHO MAIS SOBRE CATEQUESE E FAMÍLIA:

Entre tantas crises que vivemos nos dias atuais, fala-se insistentemente da crise da família. Mas não é a família que está em crise, porque todas as pessoas querem, buscam e procuram formar uma família, mesmo que não seja aquela família criada, querida e abençoada por Deus.

A família é uma realidade presente na vida humana desde o início da humanidade. Os primeiros capítulos do livro de Gênesis nos mostram isto. O que de fato está em crise – e o último censo com os primeiros dados publicados recentemente confirmam – é o matrimônio. O casamento religioso, especialmente, não é mais tão buscado e a sua realização não passa, muitas vezes, de um ato tão somente social.

A família continua sendo, em qualquer das suas expressões, o melhor espaço e a mais oportuna realidade para formar e orientar os filhos rumo a uma vida verdadeiramente humana, cristã e feliz. Ninguém como o ser humano, na sua infância, é carente de segurança, de carinho e de proteção.

A psicologia atual mostra seguramente que, desde o útero materno, a criança já vai assimilando e sentindo se é querida, se é amada e desejada. Portanto, desde esse tempo a mãe e o pai – a família – devem ajudar a nova vida a se desenvolver em todos os sentidos e aspectos, evitando trazer consigo problemas, complexos e traumas que irão desabrochar com o seu crescimento.

CATEQUESE, JÁ NO VENTRE MATERNO

Portanto, a educação da fé, que é um processo catequético, não começa na catequese de primeira Eucaristia, como é pensamento de muitas pessoas. A catequese deve, de fato, começar quando a criança ainda não veio à luz.

Desde o nascimento, o bebê pode ser levado a sentir que é amado pelos seus pais e que estes estão felizes com a sua vinda, porque sabem que ele é um presente de Deus. Ao conversar com o bebê, os pais podem transmitir a experiência e o amor de Deus. Já vão dizendo para ele que Deus também gosta muito dele.

Ninguém é mais responsável pela catequese das crianças, dos adolescentes e jovens que as suas famílias.

Na intimidade do lar e no cotidiano das coisas da casa é que a prática da fé vai acontecendo e, à medida que as oportunidades vão surgindo, com o crescimento de cada filho, a catequese se desenvolve numa linguagem cheia de afetividade, carinho e certeza.
O fundador da psicanálise afirma que nós somos o que fomos, ou seja, aquilo que foi mostrado e ensinado nos primeiros anos de vida. Tudo isso vai ser expresso nos anos em que a criança já usa a sua razão e o adolescente busca a sua identidade.

Quanto mais a família for uma verdadeira escola de fé, mais a criança e o adolescente terão uma evolução tranqüila, assumindo comportamentos positivos e conformes com o que a sociedade espera de cada indivíduo e com o que a Igreja necessita para continuar a sua missão evangelizadora.

FAMÍLIA: PRIMEIRA ESCOLA DA FÉ

Família e catequese possuem entre si uma relação dialética. A família será cristã se desde o seu início for uma família que une fé e vida, e que, por tanto, catequiza a todos os seus integrantes. A catequese será eficaz e atingirá os seus mais importantes objetivos se acontecer de maneira viva e firme na vida familiar.

A família é e sempre será a primeira escola de fé, porque nela o testemunho dos pais fala mais que qualquer outra palavra, qualquer gesto ou imagem. Não há melhor forma de catequizar do que as atitudes tomadas pelos pais e que são percebidas, entendidas e assimiladas com interesse, curiosidade e amor pelos filhos.

O amor a Deus é uma graça que precisa ser comunicada aos filhos, para que eles façam também esta experiência. Mas, o amor não se mostra com palavras ou com idéias e poemas, o amor é mostrado com e pela vida. Educar para o amor só se faz amando no concretamente.

A família, onde o amor deve ser uma realidade constante e crescente, é o melhor lugar para educar, mostrando praticamente o valor, a necessidade, a importância, a beleza do amor e de amar.

Quem fala de amor, fala de Deus (Cf 1Jo 4, 16). Na medida que há um real testemunho de amor na família e pela família, há igualmente uma positiva e verdadeira experiência de Deus. Ele não é apenas uma idéia ou uma imposição dos pais, mas torna-se uma necessidade e um companheiro de caminhada.

A família é a primeira escola catequética, porque a família é mesmo a primeira Igreja de cada pessoa. A família com seu testemunho vivo e diário de fé é a fonte mais necessária de uma evangelização que vai formando pessoas novas para um mundo novo que exige posturas novas, visando sempre à concretização do Reino de Deus entre nós, através de nós e para nós.

Pe. Mário Sérgio S. Baptistim

FONTE: Jornal - "MISSÃO JOVEM"

3 comentários:

  1. No livro "Psicopedagogia Catequética" dos padres Eduardo Calandro e Jordélio Siles Ledo, tem um capítulo muito interressanter sobre a catequese com mães gestantes. Muito interessante. Beijos pra você.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Ótima sua postagem, material excelente para trabalhar na véspera da semana nacional da familia.
    Grande abraço na Paz e no Amor de Cristo,

    Reinaldo

    ResponderExcluir
  3. Adorei as dicas sou catequista iniciante este ano comecei dando pra pré eucaristia estou procurando saber mais

    ResponderExcluir

"Que a estrada se abra à sua frente,
Que o vento sopre levemente em suas costas,
Que o sol brilhe morno e suave em sua face,
Que a chuva caia de mansinho em seus campos,
E, até que nos encontremos, de novo...
Que Deus lhe guarde nas palmas de suas mãos!"

OBRIGADA POR DEIXAR SEU COMENTÁRIO!